Monday, December 28, 2009

Conto de Natal

Era uma vez dois amigos, cuja tradição de Natal, não era trocar prendas, mas sim, ir "dar um pézinho" após a reunião familiar de dia 24. Todos os anos por volta das 2 da manhã o A. ia buscar a K. e lá rumavam áquele que era o espaço de eleição de ambos, o Kremlin.
Numa dessas noites, depois de uma noite looooonga, e na altura sem carro, nem carta, apanharam um táxi para os levar a casa. Ao passar o Restelo o táxi começa a soluçar e o taxista pára-o na berma, bem ao lado da bomba da BP que lá existe, mas que, como noite de Natal que era, estava fechada (antigamente fechava).

E lá estavam os 3 (taxista incluído), parados na berma, num táxi sem gasóleo.

O taxista lá resolve sair do carro, dizer para esperarem um pouco, que ia pedir boleia até à próxima bomba e foi o que fez. O A. e a K. ficaram a vê-lo no meio da estrada, primeiro a ver se passava algum carro e depois, a tentar pará-lo.

Lá parou um senhor num jeep, que vinha com a esposa e que aceitou dar boleia ao taxista, mas para isso, resolveu deixar com o A. e a K. a excelentíssima esposa.
A esposa do senhor da boleia, fumou durante todo o tempo que estiveram à espera que ambos voltassem, e contou que áquela hora estavam a caminho de um piquenique, porque o marido tinha acordado às 6 da manhã com vontade de um e que tinha posto num cesto bolos e iogurtes e era isso que iam fazer.
Passado algum tempo, coisa de 45 minutos, 1 hora, lá voltou o taxista, a senhora voltou à proveniência e o A. e a K., que tinham esperado pacientemente a sua volta, puderam retomar caminho para casa, enquanto ouviam a parte da história que desconheciam.

Contou o taxista, que o senhor o levou à bomba mais próxima, e resolveu ir beber café e lavar o carro, com uma vassoura que tinha lá dentro, mas que, contou ele, só lavou metade, que era para deixar trabalho para depois...

E com isto lá chegaram ao seu destino, hora e meia depois de abandonarem o Kremlin, e com uma bela história de encantar para os netos, sem moral da história, mas com um alerta de que ele há pessoas por aí, que ninguém desconfia!

(esta história é totalmente verídica, mesmo nas partes mais difíceis de aceitar e sim, a K. sou eu, a vossa Miss)

9 comments:

Mnemósine said...

Que filme!!

bonifaceo said...

Não achei a história bizarra, apenas um pouco estranha mais devido a alguém se levantar às 6 para ir fazer um piquenique e lavar metade do carro, e deixar a mulher uma hora à espera com estranhos e enquanto supostamente andava a fazer favores para estranhos.
E o taxista devido à incompetência, levou menos dinheiro ou não levou dinheiro nenhum?
Claro que estas coisas são sempre chatas e acaba por obviamente ser algo para contar.

Laidita said...

lol. A verdadeira história de encantar!

MMM. said...

Sair na noite de Natal é coisinha que me faz mta confusão...! =\

Paulo Lontro said...

Verdadeiro conto de Natal...
lolololo......

Miss Kin said...

Mnemósine, ainda por cima uma longa metragem!

bonifaceo, nem me lembro da parte do dinheiro, não sei se levou ou não... Quanto ao ser chato, éramos novos, estávamos bem dispostos e foi no mínimo divertido.

MMM., é uma noite muito boa, ou pelo menos era, só gente gira, malta que já se conhece, ambiente perfeito, calmo e com boa onda.

Luis Fernando said...

deixa eu ver se entendi: o senhor era o pai natal? rsrs

Dive said...

Fica para a história!

fd said...

Belo conto de Natal. Sim, há pessoas por aí, que ninguém desconfia.