Tuesday, January 26, 2010

Esquecer

v. tr.
1. Fazer com que (alguma coisa) saia da lembrança (própria ou alheia).
2. Pôr em esquecimento; desprezar; omitir.
v. intr.
3. Sair da memória.
4. Não se lembrar.
5. Deixar (alguma coisa por esquecimento ou descuido em alguma parte).
6. Perder a sensibilidade.
v. pron.
7. Não se lembrar.
8. Perder a lembrança.
9. Ter (algum sentido) enlevado.
10. Obrar de modo pouco em harmonia (com a sua pessoa ou dignidade).


Tantas definições para o que se queria ter poder para se mandar.
Como é que se esquece? Devíamos poder carregar num botão e fazer delete, seleccionar o que não interessa e deitar para o lixo.
Mas depois que tipo de pessoas seríamos nós, se é com tudo o que passamos e por nos lembrarmos do que vivemos, é que acabamos a ser o que somos, será que seríamos pessoas diferentes? Será que inconscientemente não ficava lá o aviso, das coisas que nos causaram dor e das outras que nos fizeram felizes?
Pois, se calhar não, se calhar ao apagarmos as memórias, deixaríamos de ser a pessoa que se formou por causa delas. Às tantas seríamos pessoas menos realistas (ou ainda menos realistas), por só termos coisas boas na memória e por isso, estarmos convencidos de que a nossa vivência é aquela e que nada de mau alguma vez nos aconteceu...

Hum, se calhar errei a pergunta, não é o esquecer que é necessário, é fazer com que as lembranças não doam...

(não me venham com a conversa do tempo, que por muito que ele consiga fazer-nos ultrapassar algumas coisas, nunca há um tempo certo para que isso aconteça e enquanto esperamos que ele passe, as dores vão e vêm como ondas?)

9 comments:

EU SOU EU said...

Neste últimos paragrafos é que fazes a pergunta correcta..." Hum, se calhar errei a pergunta, não é o esquecer que é necessário, é fazer com que as lembranças não doam..."
Essa é a verdadeira questão...
E a resposta...realmente é com o TEMPO... talvez...seja cruel dizer isso mas é apenas com o tempo...que conseguimos relembrar..
certas pessoas...acontecimentos... marcantes pela negativa...e não ter nada senão uma vaga lembrança... agora como superar as "dores que vão e vêm como ondas"...enquanto esse tempo não chega...isso depende realmente do grau de intensidade da ferida da tua alma... e da maneira como encaras a vida... Permite-te a ti...teres UM dia de tristeza...de nostálgia...Não permites é que esses dias se repitam com frequência... ocupa a tua mente com alegria...e vais ver que quando menos esperares... tudo não passará realmente de lembranças...

Gosto... said...

Isto vem um pouco no sentido do que respondi lá atrás...

Não acho que se deva esquecer...acho que é mais uma questão de aceitar que a vida (e as relações) são assim mesmo, enxugar as lágrimas, levantar a cabeça e seguir em frente!!!

BEIJOOOOOOOOOOO

aespumadosdias said...

Quando aparecer outra pessoa na tua vida as lembranças deixarão de doer. Procura-o! Boa sorte!

Miss Kin said...

aespumadosdias, já aprendi que quanto mais se procura menos se encontra... E enquanto nada acontece, é uma treta!

Laetitia said...

Acho que aos poucos e com algum esforço algumas memórias se vão desvanecendo...É claro que as que mais marcaram estão sempre lá, mas vão sendo substituidas por outras. Talvez esquecer definitivamente uma pessoa nunca esqueça, pois o poder do que foi fica-nos muitas vezes intrínseco na essência do que somos.
Mas vendo o lado positivo, quantas mais memórias mais experiência, e mais histórias para partilhar.:)

Miss Kin said...

Laetitia, se as histórias para partilhar não forem felizes, é preferível não as ter...
Mas sim, quero crer que a experiência vai servir para qualquer coisa, porque senão fico maluquinha!

Biscoita said...

Sugestão: Caso ainda não conheças, gasta 2h a ver o Eternal Sunshine of the Spotless Mind :)

Miss Kin said...

Vou tomar nota! Tks! ;)

Pedro Bom said...

Por vezes o esquecer é o ocupar a memória com outra coisa!!