Friday, November 23, 2007

"Você?! Você é estrebaria!"

Esta é uma frase que eu ouvia a minha avó dizer muito, e isto porquê, porque já antigamente era feio tratar alguém por "você", e hoje isso não mudou, embora acontece que a maioria das pessoas não tem essa noção e desata a tratar toda a gente com quem fala e que não conhece bem, por "você"...
Quando é o caso de ser necessário o emprego de uma distância, as pessoas devem tratar-se pelo nome e depois com a devida distância, o "você" é agressivo, rude e mal-educado. Cada vez que dou por alguém a falar comigo e a empregar o "você", até me sinto insultada.

Sou picuinhas eu sei, mas não custa nada um bocadinho de civilização nos dias que correm.

9 comments:

SRC said...

Lá 'tá você com o mau feitio!
A menina não seja possidónia, vá.
lolololol
bjs

O pensador said...

Caramba Miss Kin!..e eu que pensava que o "você" era utilizado como uma demonstração do respeito que sentimos pela outra pessoa,com a qual não possuímos qualquer confiança ou intimidade.

Depois disto,não vou correr o risco de tratar-te por "você" ou ainda acabas por chamar-me de selvagem!

Miss,desculpa-me se discordo contigo,mas considero que tratar quem não conhecemos por "você" é essencialmente uma questão de civismo...

Abs

(Ps: as tantas estavas só a brincar e eu caí que nem um patinho...hehehe...)

NAM said...

Por acaso também fui educado assim e ainda hoje me parece uma expressão feia. Quanto à generalização do seu uso, acho que é uma das consequências do visionamento exagerado de novelas brasileiras.
Mas não liguem à minha opinião... eu ainda digo "um bom 2008 para todos vós" e, por vezes, quando alguém bate no passeio com a jante do carro, eu tenho de me conter para que não saia um "és capaz de ter ofendido a jante".

A propósito, um bom 2008 para todos vós!!!

Miss Kin said...

=Pensador, (desculpa a resposta tardia), ñ estava de todo a brincar, o "você" está tão banalizado q já ñ se dá conta de quão feio é tratar por você quem ñ se conhece de lado nenhum; como referi no post, para demonstrarmos o tal respeito por quem ñ conhecemos assim tão bem, (ou mesmo quando conhecemos, mas é necessária a distância politicamente correcta), usamos o nome próprio e a devida distância a nível verbal, ou então o habitual senhor e senhora. O você, até na maneira como se pronuncia a palavra, é indelicado e por vezes até ofensivo.

Gabriel said...

Olá, essa noção do você, está, como diria, completamente demodee. As coisas mudam com o tempo, e acho isso normal. Falar como há 80 ou 90 anos atrás até pode ter alguma piada, se for num contexto de livro, série ou filme de época. Just my two cents.

Miss Kin said...

Como preferires, mas continuo a não tratar ninguém por você e não achar piada se me tratam.
Mas isso do falar como há 80 ou 90 anos, esta expressão tem muito menos anos, mas ainda é do tempo em que o nosso vocabulário e a construção frásica, não tinha bases no brasileiro, mas sim no português.

Anonymous said...

@O pensador

"Depois disto,não vou correr o risco de tratar-te por "você" ou ainda acabas por chamar-me de selvagem!"

Por favor! Resistamos às modas tontas que nos impingem (Brasil ou não). Permito-me refrasear:
"Depois disto,não vou correr o risco de TE TRATAR por "você", ou ainda acabas por ME CHAMAR (sem "de"!) selvagem!"
Mais à frente,
"desculpa-me se discordo contigo"
deveria ser "discordo DE TI".

Quanto ao "você", é claro que a língua evolui, e quiçá o "você" se torne essa "questão de civismo". Para já, e para mim, é... estrebaria! (Melhor dizendo, é Brasil)
Ou seja, é de má educação, em Portugal.
Certo é "O senhor", "A Maria", "o jovem", "a menina", "tu", etc. (se bem que há quem defenda que este último é estritamente para para pessoas de total à-vontade, e não para estranhos, por imberbes que sejam.)
Por outro lado, também estou curioso sobre a origem da expressão. Ainda pensei que estrebaria se dissesse "vosset", em francês, ou coisa parecida... Mas não.

Anonymous said...

Faltou acrescentar que, é claro, "você" deriva de "vossemecê" (esse sim com uso arreigado em algumas regiões portuguesas (rurais), sendo já uma forma de caricatura, de um respeito formal), que por sua vez deriva de "Vossa Mercê", forma sumamente arcaica de respeito.
Mas não é por estas origens "aristocratas" que "você" deixa de ser reles.
No Brasil não é. É uma das variadíssimas diferenças. Lá, "rapariga" é insulto, e "boceta" é palavrão grosso!

Já agora, @NEM

Não há qualquer problema com as expressões "um bom 2008 para todos vós" e "és capaz de ter ofendido a jante".
São ambas português correctíssimo, de Portugal, e actualíssimas!
Felizmente! Haja Deus! (entre aspas hehehe)

Anonymous said...

Concordo plenamente! "Você é estrebaria", assim o dizia a minha mãe. Esta aprendizagem, para mim, perdurou no tempo. Não trato ninguém por você, nem quem seja inferior hierarquicamente , pois sinto o tratamento como insultuoso.