Saturday, March 13, 2010

Saltar fora ou não saltar, eis a questão...

Digo sempre que não tenho paciência para gente pouco coerente. E na realidade não tenho, por muito que não ache que os "escravos da coerência" me mereçam mais estima que os outros, mas para tudo há conta, peso e medida. E quando não há, deixa de haver vontade de compreender e sequer de aceitar.
E é aí que vem a questão, saltar fora ou não, que é como quem diz, cortar pela raiz com o que nos irrita.

É que nesta altura (estou a dar conta que em quase todos os meus posts ultimamente, têm esta expressão...) gostar não é suficiente para se aturar, e para se gostar a sério, tem que se deixar de sentir que se atura.
Resumindo e baralhando, não é fácil fechar portas definitivamente, mas também não é fácil deixá-las abertas, fica a parecer que se dá a autorização ao outro para estar como quiser.

3 comments:

Rita said...

Essa situação parece uma que eu refiro muitas vezes... não é carne nem peixe... é assim uma mistura de tofu com qualquer coisa...

Mas tens razão, se sentes que "aturas"... não é muito bom sinal (pelo menos para mim não foi lol).

Boa sorte com o salto! :P

Mnemósine said...

Disseste tudo.
Espero é que não seja só nesta altura. Penso que nunca devemos "aturar" muito, esticar demasiado a paciência leva-nos a sítios de onde é difícil sair. Pena que ninguém avise a tempo!

B. said...

Fecha a porta, mas não a deixes trancada... we never know...